Prevenção e Detecção Precoce do Câncer com Apoio e Participação da RCC

O mês de Outubro em todo o mundo é dedicado a conscientização de Prevenção e Detecção Precoce do Câncer e a RCC – Radiologia Clínica de Campinas, desenvolveu três ações que se completam:

1- Iluminação noturna de sua sede com a côr Rosa durante o mês de Outubro, como alerta sobre a necessidade de prevenção.
2- Informativo com dados epidemiológicos e detecção precoce do câncer de mama em âmbito mundial e nacional.
3- Seminário Científico, dedicado a Classe Médica, com programação específica sobre diagnóstico precoce do câncer de
mama, patrocinado pela RCC, sem fins lucrativos (renda direcionada como doação ao Lar dos Velhinhos de Campinas,
sob  a coordenação do Dr. José Michel Kalaf, realizado no Hotel Vitória, dia 5 deste, com presença de 131 inscritos.

RADIOLOGIA CLÍNICA DE CAMPINAS – OUTUBRO  -CÂNCER DE MAMA – PREVENIR É O MELHOR REMÉDIO – SALVANDO VIDAS COM DIAGNÓSTICO PRECOCE – IMPORTÂNCIA DA MAMOGRAFIA

Desde 1997, em Outubro, o mundo todo se pinta de cor de rosa na luta contra o Câncer de Mama.

Conhecida como Outubro Rosa, este movimento tem como símbolo o laço cor de rosa, estimulando a participação da população, empresas e entidades.

Universidades, entidades filantrópicas, instituições ligadas a saúde, ONGS e órgãos governamentais, se movimentam em todo o planeta com ações de prevenção e principalmente de detecção precoce desta temível doença.

A ação de iluminar de rosa monumentos, prédios públicos, pontes, teatros surgiu posteriormente e não há uma informação oficial de como e onde foi feita a primeira iluminação; é uma forma prática para uma expansão mais abrangente do Outubro Rosa; é uma forma bonita, elegante e feminina, motivando e unindo povos de todo o mundo.

Segundo dados epidemiológicos, em 2012 foram registrados 1.600.000 (hum milhão e seiscentos mil) casos novos de câncer de mama no mundo, sendo que o Brasil teve 52.000 novos casos no mesmo período, predominando nas regiões sul e sudeste.

Este tumor é a principal causa de mortes por câncer na população femininaem nosso País, principalmente na faixa etária entre 40 e 69 anos.

Quando o diagnóstico desta doença é feito na fase inicial, o prognóstico é bom. Quanto menor for o tamanho do tumor, melhor é o prognóstico e a sobrevida da paciente.

A detecção do câncer de mama é retardada pela falta de auto-cuidado, pela desinformação e pelo não conhecimento de que a mamografia pode fazer o diagnóstico precocemente.

O conhecimento de três décadas de imagem da mama, correlacionado com fatores de risco é de pleno conhecimento da comunidade médica especializada e amplamente divulgado nos meios científicos.

Os serviços de saúde, devem concentrar seus esforços no sentido de prover a aplicabilidade da Lei 11.664 de 2008, sancionada recentemente, no sentido de assegurar a mamografia anualmente a mulheres com mais de 40 anos. Este é um grande desafio para nossos governantes, que pode ser vencido com parcerias público-privadas, tornando acessível um método diagnóstico com rotineira aplicação em âmbito nacional e que pode ser seletivamente gerenciado pelas Secretarias de Saúde Estadual e Municipal. União frutífera entre poder público e iniciativa privada em benefício de milhares de brasileiras.

Nos países onde o rastreamento mamográfico é rotineiramente realizado houve sensível diminuição da mortalidade.

A evolução do tratamento conservador do câncer de mama, foi diretamente relacionada ao desenvolvimento das modernas técnicas de diagnóstico mamário; influenciando decisivamente para a redução da mortalidade e da morbidade.

O especialista em imaginologia mamária está qualificado para  diagnosticar os tumores invasores e as lesões in situ, estas, cada dia, com diagnóstico mais freqüente, decorrente do uso sistemático da mamografia como método de rastreamento.

Graças a proximidade e consolidada integração multidisciplinar entre radiologista, mastologista, ginecologista e patologista, aumentamos a possibilidade de análise e conhecimento com relação a multifocalidade e multicentricidade, demonstrando que estas condições são mais freqüentes do que previamente esperado; estabelecendo um consenso, afim de que decisões delicadas possam ser aplicadas com sucesso em numerosos pacientes.

A determinação clínica para indicação de cirurgia conservadora mamária é dependente dos achados de imagem; tão importante como fazer um diagnóstico de tumor maligno, é também avaliar sua extensão; assim a  terapêutica loco-regional, está diretamente relacionada ao estadiamento da doença, além do objetivo maior de controle terapêutico, outros dados são obtidos para formulação de prognóstico e tratamento complementar. A morbidade nos estágios iniciais, é menor e os resultados estéticos são muito melhores.

Nosso objetivo é o diagnóstico de carcinoma que passa despercebido aos métodos de exame físico e ao auto exame; corresponde a tumor clinicamente oculto, geralmente menor do que1 cmde diâmetro.

Os dados de exame físico, os informes clínicos e o histórico pessoal e familiar de cada paciente, em adjunto com a  Mamografia, tem se revelado como sistemática ideal para rastreamento em larga escala e a ultra-sonografia sendo o método complementar de escolha.

 

O rápido desenvolvimento de novas tecnologias de imagem resulta em crescentes desafios para definição exata do direcionamento de recursos visando a melhor aplicabilidade tendo como foco principal o paciente.

Baseando-se em Medicina por Evidência, em Dados Estatísticos, em Dados Epidemiológicos, e na grande experiência de trabalho em conjunto dos Especialistas que atuam nesta área, o Colégio Brasileiro de Radiologia, Sociedade Brasileira de Mastologia e Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia, recomendam a indicação sistemática anual da Mamografia para as mulheres acima de 40 anos.

 Ciente da importância da causa, a RCC – Radiologia Clínica de Campinas, também vai se mobilizar para o Outubro Rosa, com uma iluminação noturna  especial de sua fachada, com tonalidade rosa,   a partir de 1º  de Outubro. A medida tem como finalidade lembrar principalmente as mulheres, sobre as medidas preventivas que se mostram tão eficientes quando o assunto é Câncer de Mama.

Complementando a ação, no dia 5 de Outubro a RCC- Radiologia Clínica de Campinas, promove o Seminário Intensivo de Detecção e Diagnóstico Multimodalide do Câncer de Mama, voltado para profissionais da área Médica. Coordenado pelo Diretor Médico da RCC,  Dr. José Michel Kalaf; a abertura dos trabalhos será feita pelo Dr. Cármino Antonio de Souza, Secretário de Saúde de Campinas; o Dr. Kalaf, juntamente com Drs. Antonio Carlos Pecci Ferreira e Eduardo Fleury, que são Professores de Radiologia Mamária da Santa Casa de São Paulo, serão os palestrantes.

O Seminário será realizado no Hotel Vitória, sem taxa de inscrição; os inscritos estão sendo orientados a fazerem uma doação diretamente ao Lar do Velhinhos de Campinas; este evento é patrocinado exclusivamente pela Radiologia Clínica, como forma marcante de atuação social, e abordará temas como: Diagnóstico precoce do Câncer de Mama, Ressonância Magnética Mamária e outros temas atuais como a Tomossíntese Mamária, Pacientes com Próteses de Silicone, Carcinomas em Pacientes Jovens, Intervenção Mamária, integração Multimodalidade em Diagnóstico Mamário; todos de interesse marcante, abrangendo conhecimentos especializados em Mastologia, Ginecologia, Cirurgia Plástica, Patologia e Radiologia

 Sobre a RCC

Fundada em 1980, a Radiologia Clínica de Campinas é referência na Região e oferece tecnologias médicas do segmento de diagnósticos por imagem. Médicos, amparados por equipes de profissionais qualificados se integram de forma consciente  em prestar um atendimento focado no paciente com a agilidade operacional e a sofisticação tecnológica que a saúde de seus clientes precisa. Diretor Médico Responsável: Dr José Michel Kalaf – CRM 11.956

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>